Plantão
internacional

Coreia do Norte testa bomba de hidrogênio capaz de perfurar mísseis

Publicado dia 03/09/2017 às 12h08min
Informação foi dada pela agência estatal de notícias KCNA

Oregime da Coreia do Norte anunciou neste domingo (3, noite de sábado no Brasil) que desenvolveu uma bomba de hidrogênio que, diz, tem "grande poder destrutivo" e poderia ser colocada em mísseis intercontinentais. A declaração deverá ser um novo elemento de tensão do ditador Kim Jong-un com os Estados Unidos, mas analistas a veem como uma propaganda por considerarem que a ditadura não tem tecnologia suficiente para fazer a bomba.

 

A agência de notícias KCNA mostrou imagens de Kim inspecionando o que dizem ser o carregamento da bomba de hidrogênio em um míssil intercontinental e, em seu texto, afirma que todo o processo foi feito dentro do país."O poder explosivo da bomba foi ajustado de dezenas para centenas de quilotons e pode ser detonada de grandes altitudes. Como seus componentes foram produzidos localmente, isso permite que o país possa fazer quantas armas nucleares quiser.

"Esta é a segunda vez que a Coreia do Norte diz ter bombas de hidrogênio. A primeira foi depois de seu quarto teste nuclear, em janeiro de 2016, quando o regime declarou ter usado uma ogiva desse tipo no exercício. 

Papa pede a religiosos sul-coreanos que promovam a paz

Na época, especialistas dos EUA e da Coreia do Sul consideraram que a bomba atômica usada teria sido comum. O secretismo do programa nuclear norte-coreano, porém, faz ser quase impossível a veracidade dos anúncios.O suposto desenvolvimento é revelado seis dias depois que o regime lançou um míssil que sobrevoou o nordeste do Japão antes de cair no oceano Pacífico, em resposta aos exercícios militares americanos e sul-coreanos.

Em resposta, o Exército dos EUA sobrevoou a fronteira com a Coreia do Norte com caças e bombardeiros. A tensão começou quando Kim disse ter testado dois mísseis intercontinentais que, segundo o regime, poderiam chegar ao território continental dos EUA. 

Fonte: Com informações da Folhapress.